Pedidos de seguro-desemprego sobem 28% em junho e chegam a quase 4 milhões no ano
< Voltar para notícias
225 pessoas já leram essa notícia  

Pedidos de seguro-desemprego sobem 28% em junho e chegam a quase 4 milhões no ano

Publicado em 10/07/2020 , por Fábio Pupo

15195037475a91c983b2c12_1519503747_3x2_rt.jpg

Solicitações chegam a quase 3 milhões desde março, com início de medidas de isolamento

Os pedidos de seguro-desemprego continuaram subindo em junho na comparação com o ano passado. Foram 653,1 mil solicitações no mês, um aumento de 28,4% em relação a um ano antes.

 

Esse é o terceiro mês seguido de avanço de dois dígitos nos pedidos, impulsionados pela pandemia do coronavírus e os pelos consequentes impactos na economia brasileira.

No primeiro semestre, o seguro-desemprego foi pedido por 3,9 milhões de pessoas, um aumento de 14,8% na comparação com igual período do ano passado.

Desde março, quando começaram as medidas de isolamento que impactaram a atividade econômica os pedidos somam 2,8 milhões (um aumento de 26% em relação a igual período do ano passado).

O número de junho representa uma queda de 32% em relação a maio (quando houve 960 mil requerimentos) e de 12% em relação a abril (748 mil), mas ainda sem representar uma melhora em relação a 2019.

Economistas afirmam que há uma defasagem de tempo entre as demissões e o pedido de seguro-desemprego, e por isso os pedidos podem retratar demissões ocorridas em meses anteriores (o que pode continuar ocorrendo nas próximas divulgações).

Sobre o perfil dos solicitantes de junho, 39,6% eram mulheres e 60,4% homens. A faixa etária que concentrava a maior proporção de requerentes era de 30 a 39 anos, com 32,1%. Em termos de escolaridade, 59,9% tinham formação até o ensino médio.

A maior fatia no número de pedidos veio do setor de serviços (41,7%), seguido por comércio (25,4%), indústria (18,7%), construção (10,1%) e agropecuária (4,1%).

O seguro-desemprego é destinado a trabalhadores formais que foram demitidos sem justa causa e que não possuem renda própria suficiente para a manutenção sua e de sua família. É preciso ainda se enquadrar em algumas regras.

Caso seja a primeira solicitação, o trabalhador precisa ter recebido salário em pelo menos 12 meses nos últimos 18 meses imediatamente anteriores à data de dispensa.

Caso seja o segundo pedido, precisa ter recebido salário em pelo menos 9 meses nos últimos 12 meses imediatamente anteriores à data de dispensa.

Nos demais casos, precisa ter recebido em cada um dos 6 meses imediatamente anteriores à data de dispensa.

Além disso, o requerente não pode receber qualquer benefício previdenciário de prestação continuada, com exceção do auxílio-acidente, do auxílio suplementar e do abono de permanência em serviço.

Fonte: Folha Online - 09/07/2020

225 pessoas já leram essa notícia  

Notícias

Ver mais notícias

Perguntas e Respostas

Ver mais perguntas e respostas